ALVES, Carlos Frederico de O. - Entre o cuidar e o sofrer: o cuidado do cuidador via experiência de cuidadores/profissionais de saúde mental.

Resumo:


Diante das recentes transformações no cenário da assistência em saúde pública em nosso país, fruto da Reforma Sanitária e implantação do Sistema Único de Saúde (SUS), no final da década de 80, percebe-se a necessidade de ampliação de estudos voltados a compreender a dinâmica dos profissionais envolvidos neste processo. Neste contexto, inserem-se as ações em saúde mental, baseadas nos pressupostos da  Reforma Psiquiátrica Brasileira. Assim sendo e diante da carência de estudos acerca desta realidade, buscou-se a realização deste estudo com o intuito de compreender como tem se dado a práxis destes profissionais, com ênfase na questão da saúde do trabalhador, como manifestação de uma atitude de cuidado do cuidador. O cenário que permeia a cotidianidade dos trabalhadores de saúde nos aponta questões acerca da relação sofrimento/cuidado para além de uma dinâmica estritamente intra-psíquica, perpassada, em todo momento, por uma série de questões de cunho psicossocial e institucional. Neste sentido e a partir de uma aproximação com a lógica e diretrizes que balizam o funcionamento dos serviços e modelos assistenciais no âmbito da Atenção à Saúde Mental no contexto do SUS, buscou-se uma ampliação da compreensão do estresse no trabalho e, mais especificamente, da Síndrome de Burnout, como sinalizações possíveis do panorama de sofrimento no qual se inserem estes sujeitos. A aproximação desta problemática  permitiu o resgate da implicação de questões relacionadas à visão moderna de técnica, aos processos de construção da imagem social do cuidador, à formação profissional e, finalmente, à relação entre angústia e cuidado em seus aspectos existenciais. A partir de um posicionamento fenomenológico existencial, como atitude de ser e pesquisar, foram colhidas narrativas, enquanto relatos de experiência vivida, de profissionais inseridos nesta rede de serviços assistenciais. Os depoimentos apontaram, dentre outras questões, aspectos relacionados ao caráter transitório e, por vezes, paradoxal, em que se encontra a implantação da rede substitutiva em Saúde Mental, com ênfase nas vivências dolorosas, fruto da discrepância entre expectativa do profissional e condições institucionais. Diante disto, discute-se que, a partir da complexidade implicada na situação de descuido dos cuidadores, faz-se necessária a manutenção da tensão entre os diversos aspectos envolvidos, bem como a constante problematização do papel de cada elemento do sistema, numa atitude de cuidado que implique coletivamente os âmbito do cuidado enquanto atitude ética e política, atravessados pelo cuidado de si, o cuidado institucional e o cuidado do outro.

Disponível online através de busca na UNICAP